10 Paraísos para as criptomoedas à volta do mundo
Larry Teo/Unsplash
Página principal Análise, Criptomoedas, Blockchain
Tema do momento
31 Agosto
1550 1k

Com a tecnologia blockchain e as criptomoedas tão em voga são vários os países querendo atrair empresas relacionadas para os respetivos territórios. Conheça alguns exemplos.

1. Porto Rico ou «Puertopia»

Porto Rico tem sofrido de volatilidade econômica ao longo dos anos. Porém, uma nova onda de empresas focadas no setor das criptomoedas tem sido bem recebida — com o país oferecendo bons impostos e laços estreitos com os EUA. Se destaca, por exemplo, que Brock Pierce lidera um crescente grupo de «milionários da Bitcoin» se instalando nesse paraíso tropical com o objetivo de torná-lo o seu novo lar. O seu propósito passa por criar uma cryptopia, dando aos que procuram sair da pobreza na região.

2. Malta ou ilha da «blockchain»

A população de Malta está entusiasmada com o potencial investimento estrangeiro que as empresas de criptomoedas estão levando para a ilha. Aliás, não é só a população, os membros do governo também. A Binance, a Tron e a OKEX Tech já tornaram Malta a base para as suas empresas e a ilha pretende encorajar mais a fazerem o mesmo. Com o inglês como língua oficial, baixos impostos e regulamentação clara para o setor, não é surpresa que Malta se tenha estabelecido como primeira escolha para projetos desta indústria.

3. Filipinas ou paraíso das criptomoedas

A geografia das Filipinas é tão diversa como o seu interesse pelas criptomoedas — e o governo, juntamente com o banco central, reconhece o potencial da tecnologia associada. Visa encorajar o seu crescimento, procurando impulsionar a sua economia emergente. Se destaca que 5 milhões da sua população de 100 milhões já detêm carteiras de criptomoedas. A MergeCommit, a Bloom Solutions e a Satoshi Citadel também identificaram potencial e moveram a sua atividade para este paraíso.

4. Costa Rica ou tecnologia tropical

A Costa Rica é realmente convidativa para empresas do setor das criptomoedas. Desafiada por uma elevada taxa de desemprego e também por dívida nacional a Costa Rica está pronta para abraçar o mercado das criptomoedas e a tecnologia blockchain para mudar a sua sorte. Deu as boas-vindas à Green Earth Zero e à BlockchainCR, entre outras empresas do setor, e permite que os salários de empresas locais sejam parcialmente pagos em criptomoedas.

5. Geórgia ou estufa de leste

A Geórgia é uma estrela em ascensão para o setor. Estrategicamente situada entre a Europa e a Rússia, também se caracteriza por muito baixos impostos — e esses fatores, juntamente com eletricidade de baixo custo, a tornam o sítio ideal para a mineração de bitcoins. Está em segundo lugar no que à mineração de criptomoedas diz respeito (a China em primeiro). Se destacam entre as empresas focadas na blockchain no país a Cyber Infrastructure Inc, a Patientory e a 10 Clouds Dedicated Developers.

6. Gibraltar ou rocha das criptomoedas

Não se deixe enganar pela sua dimensão. Gibraltar está pronta para agitar o mundo da blockchain. Com uma economia forte, e com baixas taxas à importação, Gibraltar está se tornando rapidamente o lar para empresas de criptomoedas. A Gibraltar Blockchain Exchange, por exemplo, atrai interesse de todo o continente. A Lendo se mudou para lá e é possível que outros grandes nomes sigam o exemplo.

7. Liechtenstein ou «Bitcoinstein»

O Liechtenstein surge no mapa enquanto jogador no mundo da tecnologia blockchain. Beneficia de ser um membro do Espaço Econômico Europeu, sem ser membro da União Europeia, o que permite que contorne algumas das mais onerosas regulamentações da UE — enquanto negoceia por todo o continente. É o lar da Ethereum, da Chainium e da Vimana e o governo tem planos para torná-lo o país mais blockchain-friendly da Europa — com novas regulamentações, como o Blockchain Act, sendo introduzidas.

8. Dinamarca ou aurora boreal do setor

Abra caminho para a Dinamarca, um dos novos epicentros do mundo da blockchain. Esta economia altamente desenvolvida atraiu grandes empresas focadas na tecnologia inovadora para o seu país — e, como tal, estabeleceu o ambiente mais crypto-friendly possível, com baixos impostos e isenções. É fácil de perceber por que razão as empresas focadas na blockchain se sentem tão atraídas pelo mercado dinamarquês.

9. Holanda ou coragem holandesa

Famosa por uma atitude liberal, a Holanda abraçou rapidamente esta nova tecnologia. A Dutchchain e a FoodInsights são alguns dos exemplos das empresas que se estabeleceram no país. O governo apoia uma abordagem ousada, vendo as criptomoedas como «de baixo risco» para a estabilidade financeira — e Amsterdão hospeda a «Embaixada da Bitcoin», possuindo também a maior densidade de caixas automáticas de Bitcoin do mundo.

10. Singapura ou «SingBlockchain»

Sempre saltou à vista o interesse de Singapura por fintech inovadora. Principalmente concentradas na capital, as empresas focadas na blockchain florescem ao lado de impostos consideravelmente baixos. A LINE foi uma das maiores jogadoras lançadas neste mercado, onde o inglês, o malaio e o mandarim se encontram. As empresas de tecnologia estão em alta e o potencial para inovação com a tecnologia blockchain nas margens de Singapura é inegável.

Fonte: Hacker Noon

Leia também:
Por favor, descreva o erro
Fechar
Fechar
Obrigado pelo seu registo
Faça "curtir" a esta página para que a gente possa continuar a publicar artigos interessantes gratuitamente