O que está por detrás do tão em voga empreendedorismo?
Brian Snyder/Reuters
Página principal Estilo de Vida

O empreendedorismo está em voga e cada vez mais alunos das escolas de gestão trocam Wall Street por uma start-up

Vivemos na era do culto do empreendedor. Analisamos em detalhe os Tory Burches e Evan Spiegels desta vida em busca de uma fórmula mágica ou conjunto de traços de personalidade que nos permitam alcançar o sucesso. O empreendedorismo está em voga e cada vez mais alunos das escolas de gestão trocam Wall Street por uma start-up.

No entanto, o que muitas vezes não fica claro nesta narrativa é que o traço mais comum do empreendedor é o acesso a capital financeiro – a dinheiro de família, a uma herança ou a contatos que lhe permitem estabilidade financeira. Embora pareça que os empreendedores tenham queda para o risco, o acesso a fundos é normalmente o que lhes permite correr esses riscos.

E esta vantagem é fundamental: quando as necessidades básicas estão satisfeitas, é mais fácil ser criativo: quando sabemos que temos uma rede de segurança, estamos mais dispostos a correr riscos.

“Vários outros investigadores chegaram à conclusão de que o empreendedorismo tem mais a ver com dinheiro do que com dinamismo”, contou à Quartz Andrew Oswald, professor da Universidade de Warwick. “Os genes provavelmente ajudam, assim como tudo na vida, mas não muito”.

Ross Levine e Rona Rubenstein, economistas da Universidade da Califórnia em Berkeley, analisaram os traços partilhados por empreendedores em um ensaio de 2013 e descobriram que a maioria correspondia a homens brancos com formação superior.

“Se não tivermos dinheiro herdado de família, as probabilidades de nos tornarmos empreendedores são menores”, afirma Levine.

Um novo estudo publicado recentemente pelo National Bureau of Economic Research analisou os riscos corridos na bolsa de valores e descobriu que os fatores ambientais (e não genéticos) eram os que mais influenciavam o comportamento, o que indica que a tolerância ao risco é condicionada ao longo do tempo (derrubando o mito de um “gene empreendedor”).

A resiliência é um traço necessário ao sucesso; muitos empreendedores notáveis só saborearam o sucesso depois de terem experimentado o fracasso. Mas o preço para entrar no mundo dos negócios é muito alto. Para os criativos, iniciar um novo negócio é o derradeiro privilégio. Muitos fundadores de start-ups não têm salário durante algum tempo. O custo médio para lançar uma start-up ronda os 30 mil dólares, de acordo com a Kauffman Foundation. Dados da Global Entrepreneurship Monitor indicam que mais de 89% do financiamento de novas empresas advém de poupanças pessoais e de ajudas de amigos e família.

“Seguir os nossos sonhos é perigoso”, confidenciou à Quartz uma mulher de 31 anos que frequenta círculos de empreendedorismo social em Nova Iorque e pediu para não ser identificada. “Muitas pessoas são seduzidas pela ideia de que podem seguir os seus sonhos quando lhe apetecer, mas não é verdade.”

Assim, embora o trabalho árduo contribua para a construção de um projeto, há também muito privilégio associado – um fator que é muitas vezes subestimado.

Trabalho por conta própria: a verdade nua e crua sobre o "emprego de sonho"

Хотите узнать больше о гражданстве за инвестиции? Оставьте свой адрес, и мы пришлем вам подробный гайд

Por favor, descreva o erro
Fechar
Fechar
Obrigado pelo seu registo
Faça "curtir" a esta página para que a gente possa continuar a publicar artigos interessantes gratuitamente