Página principal Notícias, Bitcoin, Brasil, Criptomoedas
Tema do momento
19 de Outubro de 2017
2083 2k

Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central do Brasil, se juntou ao coro de financeiros que não estão prontos para aceitar a Bitcoin como ativo financeiro real, de acordo com o avançado pelo Cointelegraph. Goldfajn argumentou recentemente que os indivíduos que investem em moedas digitais estão interessados no mesmo tipo de rendimento procurado por investidores focados em fraudes piramidais.

“A Bitcoin é um recurso financeiro sem lastro que as pessoas compram porque acreditam que vai crescer. É uma típica bolha ou esquema em pirâmide.” – Declarou Goldfajn.

Os esquemas em pirâmide, de forma sucinta, procuram convencer investidores a apostar em um produto financeiro – os incentivando a procurar novos investidores de seguida e por aí em diante. No entanto, os rendimentos prometidos aos “segundos” investidores provêm dos investimentos realizados por novos investidores e não das vendas do produto subjacente. No final, o esquema entra em colapso e os primeiros investidores (no topo) ganham bastante – enquanto os restantes nada.

De acordo com Goldfajn o Banco Central do Brasil não está interessado em “bolhas ou pagamentos ilegais” e não incentiva atividades financeiras com recurso a moedas digitais. Em 2014 a entidade emitiu um aviso ao redor dos potenciais riscos do investimento em criptomoedas – e publicou recentemente uma pesquisa sobre possíveis usos da blockchain, a tecnologia subjacente às moedas virtuais.

Em simultâneo o parlamento brasileiro tem estado desenvolvendo legislação ao redor da circulação de criptomoedas no país – e ainda não é claro se as observações de Goldfajn serão tidas em consideração.

Goldfajn não é o primeiro financeiro ou burocrata destacando a falta de fiabilidade da Bitcoin.

Leia também:
Por favor, descreva o erro
Fechar